Na migração não há férias

Há quem a julgue subalterna

Há quem nada saiba sobre ela

Cuida do Norte pra alimentar o Sul

Migrante vive de quimera

 

Presente na política interna e externa

Há para quem ela só emberna

Invisível, risível, fruível, incrível

Porão de restaurante, hospital, poterna

 

Cruza fronteiras, descruza pernas

Mão-de-obra global, escravização moderna

Migrante nina a cria e limpa a pólvora

Dos países que financiam a guerra

 

Há quem esteja na fronteira em missão fraterna

Que a solidariedade seja para a resistência eterna

Nadando contra a maré da xenofobia

Salvando vidas, em paraísos de férias

 

 

 

Danielli Cavalcanti

 

 

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s