Uma mãe migrante (re)escrevendo histórias

Escrevi esse textinho sobre meu processo de escrita como mãe migrante no FAFALAG blog da escritora Fátima Nascimento.

Muito obrigada, Fátima, pelo convite!

 

Meu primeiro livro infantil chama-se Sopa de Sapo, foi escrito, em alemão, como uma peça de teatro, quando eu morava em Linz, na Áustria. Mas eu já contava a história para minha filha em português, enquanto fazia sopa de brócoli ou milho.

Quando coloquei a história no papel, percebi que minha experiência como mãe migrante influenciou consideravelmente no enredo. De repente, eu já não estava falando “apenas” sobre alimentação saudável e um sapo teimoso, como acontecia quando eu a contava para minha filha, senão também sobre minha vivência diaspórica: a importância do acolhimento, da riqueza dos idiomas e de poder-se falar o primeiro idioma (materno, língua de herança), seja ele sapolês, borboletês, português etc. Assim como eu tratava do posicionamento  antiracista e resiliente.

Obviamente, esses aspectos poderíam ter sido inseridos desde a contação da história em português para minha filha, mas não foi como ocorreu.

 

Quando coloquei a história no papel, percebi que minha experiência como mãe migrante influenciou consideravelmente no enredo.

 Eu traduzi a Sopa do Sapo para o português e dinamarquês.

Na quarentena do Covid-19, disponibilizei as versões gratuitamente para download.

Nessa brincadeira, conheci Eloisa Viana da Basil Brasil Portuguese Club, uma escola para ensinar português e a cultura brasileira para crianças, em Maynooth, na Irlândia. Ela gostou do sapinho e traduziu a Sopa de Sapo para o inglês. Incrível assim!

As ilustrações da Sopa de Sapo são de Vitória Paes e o design gráfico foi assinado por Iêda Alcântara.

O processo de escrita do meu segundo livro não foi diferente, ou seja, foi primeiramente escrito no idioma do meu atual país residente. A história surgiu a partir de um poema que fiz para a cidade que moramos, Kolding. Por isso, o livro em dinamarquês se chama Lourito em Kolding. Em português preferi colocar o nome do país, porque quem simplesmente sabe onde fica Kolding?

O livro é uma carta do papagaio Lourito para suas aves amigas, contando sobre como é viver na Dinamarca, as estratégicas de sobrevivência no inverno, a dificuldade no aprendizado do idioma, no fazer das amizades etc. É também uma declaração de amor à Kolding, às cidades onde morou e as amizades que conquistou, sejam nos ares, nas terras ou nos mares.

As ilustrações foram feitas por minha filha que tem 9 anos. Este foi nosso projeto na quarentena. A experiência desse trabalho com minha filha foi, além de divertida, muito rica em aprendizado para nós duas. É maravilhoso perceber como a criatividade das crianças não tem filtro de impossibilidade. Ver minha filha discutindo sobre quais desenhos deveriam estar nas páginas, ver seu esforço e alegria em fazê-los, foi muito emocionanteEstamos felizes em poder compartilhar essa historinha feita com tanto amor.

Para ler as primeiras páginas do Lourito na Dinamarca clique aqui.

Para ler gratuitamente a versão curtinha da Sopa de Sapo em português, inglês, dinamarquês e alemão, através do link: https://www.yumpu.com/user/danielli.cavalcanti

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s